-   

T

-

 

NUMA FILA DE TEATRO

Belvedere Bruno

 
 

 

Parecia que eu entrava num túnel do tempo.

 

Na fila do teatro, aquela senhora bem vestida, maquiada, e com ar autoritário, trazia-me a viva imagem de vovó. Olhava-a com tamanha insistência que ela chegou a levantar a cabeça, como se perguntasse: "por que me olha?"

 

Era a vovó de minha adolescência, ainda com a pele lisa, no início de seu outono.

 

Entrei no teatro, pensando naquela fase da minha vida. Revia vovó nos seus variados matizes...

 

No decorrer da peça, me vi vestindo as fantasias que ela confeccionava, festejando os aniversários que ela preparava, sorvendo o licor de jenipapo, que era sua especialidade. Ouvia também as suas gritarias quando se zangava, as discussões com bisa, Jarbas... E via suas lágrimas quando relembrava as jovens filhas, que partiram no espaço  de uma semana, vítimas de uma epidemia que assolou a cidade.

 

Não me perguntem como foi a peça, nem sobre a interpretação dos atores. A peça foi a lembrança da vida de minha avó, e a influência que teve sobre a minha.

 

A atriz principal era ela, mais viva do que nunca.

 

* * * 

 

 
-   

Publicado no PORTAL A ERA DO ESPÍRITO com a autorização da autora

-