Estudo

 Estudo com base às qq. 371 à 378 de O Livro dos Espíritos,
obra codificada por Allan Kardec

Pesquisa: Elio Mollo

 

Idiotismo e loucura

Atualizado em 22/11/2012

 

 

A inteligência é a faculdade de conceber, de compreender e raciocinar. (1) Essa faculdade é complementada pelo pensamento, a vontade de agir, a consciência da própria existência e de sua individualidade, assim, como os meios de estabelecer relações com o mundo exterior e de prover as suas necessidades. (2) Os seres, individualmente, embora as diferenças, possuem a habilidade de entender ideias complexas, de se adaptarem com eficácia ao ambiente, de aprenderem com a experiência, de se engajarem nas várias formas de raciocínio, de superarem obstáculos mediante o pensamento. (3) Inclusive, entre outras coisas, envolve a habilidade de raciocinar, planejar, resolver problemas, pensar de forma abstrata e aprender rápido. (3) Essa faculdade inexiste aos doentes de idiotia, ou seja, naqueles que possuem um retardo mental profundo. (4)

 

O idiota completo, ou profundo, possui um desenvolvimento inferior ao de muitos animais inferiores tais como répteis, com quem podem ser comparados em relação à evolução e integridade do sistema nervoso. O idiota de segundo grau, ou incompleto, apreende algumas palavras, desenvolvendo instintos como o de conservação. (5)

 

Conforme respostas dos Espíritos (6), não tem fundamento a opinião segundo a qual os cretinos e os idiotas têm uma alma de natureza inferior, ao contrário, eles tem uma alma humana, muitas vezes mais inteligente do que se possa pensar, e que sofre dos meios de que dispõe para se comunicar, do mesmo modo que o mudo sofre a de não poder falar.

 

O objetivo da Providencia criando seres infelizes como cretinos e idiotas, e que habitando corpos de idiotas. Esses Espíritos sofrem pelo constrangimento que experimentam e pela impossibilidade em que se encontram de se manifestarem por meio de órgãos não desenvolvidos ou desarranjados.

 

Os estudos espíritas, feitos sobre os cretinos e os idiotas, provam que sua alma é tão inteligente quanto a dos outros homens; que essa enfermidade é uma expiação infligida aos Espíritos por terem abusado da sua inteligência, e que sofrem cruelmente em se sentirem aprisionados nos laços que não podem quebrar, e no desprezo do qual se veem objeto, quando, talvez, tenham sido insensatos na sua existência precedente. (7)

 

Os órgãos têm uma influência muito grande sobre a manifestação das faculdades; porém, não as produzem; eis a diferença. Um bom músico com um instrumento ruim não fará boa música, mas isso não o impedirá de ser um bom músico.

 

É preciso distinguir o estado normal do estado patológico. No estado normal, a moral suplanta o obstáculo que a matéria lhe opõe. Mas há casos em que a matéria oferece tanta resistência que as manifestações são limitadas ou deturpadas, como na deficiência mental e na loucura (8). São casos patológicos e, nesse estado, não desfrutando a alma de toda a sua liberdade, a própria lei humana a livra da responsabilidade de seus atos.

 

O mérito da existência para seres, como os idiotas e os cretinos, que não podem fazer nem bem nem mal, não podendo progredir, e que é uma expiação imposta ao abuso que fizeram de certas faculdades; é um tempo de prisão. Um corpo de idiota pode, assim, abrigar um Espírito que animou um homem de gênio na existência precedente, o gênio, às vezes, torna-se um flagelo quando dele se abusa. 

 

A superioridade moral não está sempre em razão da superioridade intelectual, e os maiores gênios podem ter muito a expiar; daí resulta, frequentemente, para eles uma existência inferior a que tiveram e uma causa de sofrimentos. Os entraves que o Espírito experimenta em suas manifestações lhe são como as correntes que comprimem os movimentos de um homem vigoroso. Pode-se dizer que o cretino e o idiota são estropiados pelo cérebro, como o é o coxo pelas pernas, o cego pelos olhos, ou seja, é um espírito em expiação num corpo sem capacidade para transmitir-lhe o pensamento, no qual se encontra como um homem forte, mas com dificuldade de se manifestar em seu meio de relação. O mesmo pode acontecer conosco se abusarmos das faculdades que a Providência nos concedeu. (9)

 

O idiota, no estado de Espírito, tem consciência de seu estado mental. Muito frequentemente; ele compreende que as cadeias que entravam seu voo são uma prova e uma expiação.

 

A situação do Espírito na loucura (10) é que o Espírito, no estado de liberdade, recebe diretamente suas impressões e exerce diretamente sua ação sobre a matéria; encarnado, porém, encontra-se em condições muito diferentes e na contingência de só fazer com a ajuda de órgãos especiais. Que uma parte ou o conjunto desses órgãos seja alterada, sua ação ou suas impressões, naquilo que concerne a esses órgãos, ficam interrompidas. Se ele perde os olhos, torna-se cego; se perde o ouvido, torna-se surdo, etc. Imagina agora que o órgão que preside aos efeitos da inteligência e da vontade seja parcial ou inteiramente atacado ou modificado, e será fácil compreender que o Espírito, não tendo mais a seu serviço senão órgãos incompletos ou desnaturados, deve lhe resultar uma perturbação, da qual, por si mesmo e no seu foro íntimo, tem perfeita consciência (11), mas não é senhor para deter o curso. É sempre o corpo e não o Espírito que está desorganizado, mas é preciso não perder de vista que, do mesmo modo que o Espírito atua sobre ele em uma certa medida, e que o Espírito pode se encontrar momentaneamente impressionado pela alteração dos órgãos pelos quais se manifesta e recebe suas impressões. Pode acontecer que, com o tempo, quando a loucura durou bastante, a repetição dos mesmos atos acabe por ter, sobre o Espírito, uma influência da qual não se livra senão depois de sua completa separação de todas as impressões materiais.

 

O motivo que, algumas vezes, a loucura leva ao suicídio, e que, o Espírito sofre com o constrangimento que experimenta e com a impossibilidade, em que se encontra, de se manifestar livremente, por isso busca na morte um meio de romper os seus laços.

 

O Espírito do alienado pode sentir por algum tempo ressentimento depois da morte, do desarranjo de suas faculdades, até que esteja completamente desligado da matéria, como o homem que acorda se ressente algum tempo da perturbação em que o sono o mergulha.

 

A alteração do cérebro reagir sobre o Espírito depois da morte é uma lembrança; um peso oprime o Espírito e como ele não teve conhecimento de tudo o que se passou durante sua loucura, precisa sempre um certo tempo para se pôr ao corrente. É por isso que, quanto mais durar a loucura durante a vida, muito mais tempo dura a opressão, o constrangimento depois da morte. O Espírito liberto do corpo se ressente, algum tempo, da impressão dos seus laços.

 

* * *

 

 NOTAS:

(1) Allan Kardec, Instruções Práticas Sobre as Manifestações Físicas, Vocabulário.

(2) Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, resposta à questão 71.

(3) http://pt.wikipedia.org/wiki/Intelig%C3%AAncia

(4) Verbetes: Idiota - Falto de inteligência e Idiotia - Retardamento mental profundo. Dicionário Completo da Língua Portuguesa Folha da Tarde - Melhoramentos

(5) http://pt.wikipedia.org/wiki/Idiotia

(6) Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, da questão 371 em diante.

(7) Allan Kardec,  Revista Espírita, junho de 1860, O Espírito de um idiota - Idem, outubro de 1861: Os cretinos.

(8)  Allan Kardec, Revista Espírita, setembro de 1864, Influência da Música sobre os Criminosos, os Loucos e os cretinos: “Os loucos, quase sempre, foram homens inteligentes; ocorre de outro modo com os idiotas e os cretinos, que parecem votados, pela própria Natureza, a uma nulidade moral absoluta. (...) ...há esta diferença entre o louco e o cretino, que o primeiro é provido, no nascimento do corpo, de órgãos cerebrais constituídos normalmente, mas que se desorganizam mais tarde; ao passo que o segundo é um Espírito encarnado num corpo cujos órgãos atrofiados, desde o princípio, jamais lhe permitiram manifestar livremente o seu pensamento; (...) A cura radical do idiota, portanto, é impossível; tudo o que se pode esperar é uma ligeira melhora. Para isto, não se conhece nenhum tratamento aplicável aos órgãos;...”

(9) Allan Kardec, O Espiritismo em sua mais Simples Expressão e Revista Espírita, outubro de 1861: Os cretinos.

(10) Verbete: Loucura - Desarranjo mental; demência; psicose. Dicionário Completo da Língua Portuguesa Folha da Tarde – Melhoramentos. Allan Kardec na Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita de O Livro dos Espíritos, cap. XV, disse que: “A loucura tem como causa primária uma predisposição orgânica do cérebro, que o torna mais ou menos acessível a certas impressões. Havendo a predisposição para a loucura, ela se manifestará como uma ideia fixa.” No livro O que é o Espiritismo, Dificuldades dos Médiuns, item 74, Allan Kardec disse: “Na loucura propriamente dita a causa do mal é interior; é preciso procurar restabelecer o organismo ao estado normal. Na subjugação, a causa do mal é exterior; é preciso desembaraçar o doente do inimigo invisível não com remédios, mas com uma força moral superior à sua.”

(11) Durante o sono, o Espírito de um idiota poderá demonstrar sua inteligência incontestavelmente superior à de seu estado normal, o que provará um desenvolvimento anterior, mas, somente nos momentos de emancipação da alma, nos quais não sofre tanto a influência da matéria, é que sua inteligência se manifesta, contudo, voltando ao normal, suas faculdades se aniquilam sob o envoltório material retornando com as suas dificuldades de se manifestar em seu meio de relação. (Ver Revista Espírita de janeiro de 1861, O Espírito batedor de Aube.)

 

* * *