-   

 

-

 

Tema: A HORA DO ADEUS

 

 Poemas

 

Poetas

(CIRANDA POÉTICA)

 

Primeira publicação (Ilze Soares in solo):

22 de maio de 2009 - 12h25m


Última atualização:

27 de julho de 2009 - 22h49m

Ilze Soares  / Sá de Freitas / Maria Thereza Neves

Marcial Salaverry / Eri Paiva  / Eliana Duarte
Humberto Rodrigues Neto– Poeta / Clara da Costa  /  Anna Peralva
Antonio Cícero da Silva  / Naidaterra / Penhah Castro

José Ernesto Ferraresso / Inês Marucci  /  Celina Figueiredo
Sonia Salete / Luiz Gonzaga Bezerra / J Neto

Muriel Elisa Távora Niess Pokk / Fátima Abrantes  /  Regina Coeli
Kedma O'liver  / Silvia Giovatto (faffi)

António Barroso (Tiago) / Eduardo Samuel Ferreira

-   

 

-

 

 

A Hora do Adeus
Ilze Soares

 

A hora do Adeus chegará para todos nós. E dizer adeus aos entes queridos, aos nossos sonhos e anseios, a todas nossas ilusões... não é fácil! Esta é nossa vida, o mundo que conhecemos e amamos. Não importa se temos 20 ou 90 anos, ninguém quer partir. Medo do desconhecido? Talvez...

 

Na verdade, morremos um pouco todas as noites, vamos ao outro lado, vemos e conversamos com pessoas queridas, conhecemos lugares... Achamos que foi sonho, mesmo quando é bem real. No palco da vida, somos atores de vários personagens! O personagem acaba, o ator fica. Assim é o corpo e o espírito. O primeiro morre, se deteriora. O outro é eterno.

 

E como ninguém sabe a hora certa de partir, é melhor deixar a bagagem mais ou menos pronta, para não se arrepender depois. Só se leva o que se faz de bom ou de ruim. O bem pesa muito menos, nunca se paga excesso, por mais que se pratique!

 

Não deixe para depois a palavra amiga, o elogio sincero, o conselho salutar, o sorriso que ilumina... Nunca deixe de amar!

 

* * *

 

COMO SINTO UM ADEUS
Sá de Freitas

 

O adeus é prenúncio de ansiedade
Que surgirá nascida de uma ausência...
É princípio de angústia... é evidência
De prantos que virão com intensidade.

 

O adeus é um sentir de vacuidade,
É o interromper de uma convivência,
É um padecer com a triste permanência,
Da grande dor que traz uma saudade.

 

O adeus é esperança de um retorno;
É sensação terrível de abandono;
É temor do que inda não surgiu.

 

É apreensão que a alma mortifica;
Sonho de também ir, para quem fica;
Vontade de regresso à quem partiu.

 

* * *

 

Adeus!
Maria Thereza Neves

 

Que o silêncio não doa
magoe
finde sonhos
Que imagens
não se percam
apaguem!
Que meus poemas guardem lembranças
saudades
esperanças
expressando puro sentimento
energia vibrante
cheiros, odores, flores
sabores
colhendo conchas
bebendo estrelas
nadando luas
voando ventos
doçura celeste
dissolvendo sorrisos
existindo em si por si
leveza suave nas asas ,
dos sonhos,
do adeus.

 

JF/25/11/2001 - 23:49h

 

* * *

 

AQUELES QUE SE FORAM
Marcial Salaverry

 

Quando é forte o amor,
quando é cheio de vida e calor,
não importa se um dos amantes
parte antes...
A vida continua,
essa verdade nua e crua...
Há que seguir vivendo,
mas sempre sabendo
que o amor jamais morre,
e da lembrança sempre se socorre,
para manter a lembrança viva,
no coração sempre ativa...
Na verdade, não existe tristeza,
existe, sim, a certeza
de que o amor permanece,
pois amor jamais fenece...
Outro amor poderá surgir,
mas não irá substituir...
E aquele olhar vindo de algum lugar,
até quer que se volte a amar,
pois a vida deve continuar...
E a hora da viagem chegar,
para talvez, novamente se encontrar...
Em outra vida... Em outra viagem...

 

Poema inspirado na mensagem final da novela A VIAGEM.

 

* * *


NO ÚLTIMO SUSPIRAR
Eri Paiva
 
Um último suspirar!
Laços e amarras desfeitos,
Mãos à mostra, desnudas, vazias
Espírito leve, feliz, satisfeito,
Sem quinquilharias
Nada para atrapalhar!
E então...
Um novo vôo alçar!
 
Para trás as lembranças,
As pessoas queridas,
Os afetos, as despedidas,
O pouco ou muito que juntou
E aquele amor que deixou
Com uma lágrima a rolar...
 
Nada a perder! Só a ganhar!
Divinas recompensas
Pelos feitos realizados
Estão a esperar,
Quem na terra muito sofreu,
Mas muito amor também soube dar!
 
A aceitação da dor
E a vivência do amor,
É a química perfeita
Capaz de transportar
E então  garantir
À uma alma querida, tão especial
Um especial lugar.
 
Ao aterrissar, sorrindo está Deus
Para acolher e abraçar!
Não ter medo, então,
Na hora do Adeus!
Sorria, ao seu último suspirar!
 
Em 22. 05.2009

 

* * *

 

A HORA DO ADEUS
Eliana Duarte

 

Hoje me peguei pensando no dia em que eu me despedir da vida.

 

Nunca gostamos de pensar neste dia que infelizmente vai acontecer a todos nós.

 

O dia do ADEUS!

 

Adeus a vida!

 

Adeus a nossa família, aos nossos amigos,

 

a tudo que lutamos, que desejamos e conseguimos ter, ou que ainda

 

esperávamos conseguir...

 

Enfim é chegada a hora da partida, não adianta chorar, se lamentar, se arrepender de algo que fizemos de errado... temos que ir,

 

queiramos ou não...

 

É amigos... muito triste dar Adeus... saber que chegamos ao fim da jornada, que não adianta bens materiais, todo dinheiro do mundo, nada vai conseguir evitar nossa partida...

 

Então, temos que procurar fazer o bem, sermos humildes, honestos, caridosos e ter muito amor no coração...

 

Só assim partiremos em paz, sabendo que ao menos fizemos nossa parte, da forma que nos foi possível... mas fizemos.

 

Que Deus ilumine meu caminho e me permita ficar mais um pouquinho...

 

Gosto tanto da minha vida, das pessoas que me cercam... gosto tanto de você, tenho tanto ainda por fazer.

 

É isto...

 

Temos que estar preparados para a hora do "ADEUS".

 

* * *

 

CONDOLÊNCIAS
Humberto Rodrigues Neto– Poeta.

 

Não deixes que a saudade te envenene
por esse amigo que de ti se afasta;
pois toda a sua alegria pura e casta
foi dar aos anjos da mansão solene!

 

Da nostalgia que o teu ser devasta
não faças algo eterno ou tão perene;
pois pela morte a alma passa indene,
só a carne morre quando exangue e gasta!

 

Se ele era um lírio a suportar espinhos,
hoje torna, feliz, à eternidade,
onde revê seus primordiais caminhos!

 

E a flanar leve, pela imensidade,
há de sorrir lembrando os teus carinhos
e o doce soluçar da tua saudade!

 

* * *

 

A HORA DO ADEUS
Clara da Costa

 

Quando a hora do adeus chegar e,
minh'alma abandonar essa vestimenta,
estarei olhando por você, em outra dimensão.
Em todos os momentos,
estarei cuidando de você e,
meus olhos brilharão de felicidade e emoção,
pensando no grande amor que vivemos nesse
plano terrestre.
Quando em frente ao mar sentires uma brisa
leve tocando seus cabelos, sou eu te fazendo
um afago, como sempre fazia quando meu
corpo ainda estava junto ao teu,
mirando o mar com nossas mãos entrelaçadas.
Na hora do adeus, meu amor,
não fique triste, não chore, pense
em nosso grande amor, esse
amor de almas.
Um amor assim,
não se perde com a morte do corpo.
Creia, nos encontraremos sempre,
porque nosso amor é eterno...

 

* * *

 

ADEUS...
Anna Peralva
 
Vôos pairando pelo ar,
no cais da existência
partida a esperar!
No silêncio que enfim aporta,
a dor da saudade
vai entrando pela porta,
na lágrima que sempre brota...
 
Da nostalgia nasce a certeza
que apenas um corpo se vai,
que a alma em casta leveza
flana para o porto da paz!
Não serão desfeitos sentimentos
ou laços de pura amizade,
o adeus é mais uma passagem do tempo!
 
Um ciclo por ora se completa...
Passado e presente inclusos na bagagem,
quando concluída é a meta...
A vida é uma constante viagem!
 
23/05/2009

 

* * *

 

O ÚLTIMO ADEUS
Antonio Cícero da Silva
 
Meu pai estava enfermo,
com diversos problemas de saúde.
Com setenta e cinco anos de idade,
mas sempre lutando pela vida.
Um dia ele passou muito mal e como eu
não me encontrava em casa,
ele não aceitou ir com ninguém ao
hospital.
Somente iria comigo...
ao ser avisado, fui rapidamente para casa,
e encontrei o meu genitor, sofrendo muito.
Quando ele me avistou, mesmo com
aquele sofrimento contínuo, fez uma festa.
Beijou-me, abraçou-me, chorou, deitou-se
no meu colo e passou a me falar referente,
a diversos assuntos e coisas...
para mim, aquelas foram difíceis palavras de ouvi-las
e quando da saída para o hospital, meu pai se despediu
com um último adeus, a todos os amigos e parentes
ali presentes.
Partimos rapidamente para o hospital...
meu pai com uma tremenda dor no peito,
reclamava muito, que também doía aqui e ali, e mesmo
que com um pouco de tempo, meu pai foi medicado
e não demorou muito, seu estado de saúde se complicou...
chamei o médico, gritei pela enfermeira e isso se repetiu,
por várias vezes, até que em súbito momento,
chegou a crise fatal...
meu pai, chamou por mim e falou que o Senhor e seus anjos,
já chegavam, e logo expirou.
Descansou do sofrimento...
Ele foi um homem firme e correto na terra
e quando fechei-lhe os olhos, parecia que estava dormindo,
com um semblante do trabalhador, que cumpriu com
a sua missão.
Muito sofri, muito chorei, mas vim a entender, que aquele seria
mais um dos estágios da vida...
meu pai descansou em paz...
 
São José do Belmonte/PE, 18 de maio de 2009
 
* * *

 

NÃO ME DIGA ADEUS
Naidaterra

Se a vida nos separou colocando
nossos passos em caminhos
diferentes, nos restam as lembranças...
Não me diga adeus...
Não estarei mais nos teus braços,
não beijarei mais os teus lábios
e não ouvirei mais a tua voz...
Mas esteja eu onde estiver,
te levarei no meu pensamento...
Não me diga adeus...
Palavras não podem definir a
intensidade do nosso amor...
Em nossos corpos, mil arcanos
desvendamos e para cada um deles,
nasceu uma poesia que
só nós dois conhecemos...
Se a dor da saudade apertar,
não chore, chame meu nome...
Não me diga adeus...

* * *

 

A TRISTE HORA DO ADEUS....
by Penhah Castro

Ah! Amigo querido
como é tremendamente sofrido
a hora de dizer adeus
a alguém que tanto preencheu
nossa emoção,
nossos dias,
e toda a nossa vida...
Como é difícil compreender
o porque de tanto sofrer....
Como é terrível acordar
e, quem amamos
nunca mais vai nos chamar....
É triste dizer adeus
ao amor tão companheiro,
solidário,
espontâneo,
carinhoso,
amoroso,
de uma mãezinha
que a vida me deu...

* * *

 

QUEM INVENTOU O ADEUS
José Ernesto Ferraresso

Acho que não pensou,
Nem mesmo meditou,
Não avaliou o sofrimento,
Mas apenas o momento.

Não é fácil suportar,
Nem mesmo aceitar,
Quando alguém se vai,
Para nunca mais retornar.

Esse é um momento alegre e triste,
Pois a vida quer que vivamos em riste.
Um dia alguém parte para o sucesso,
Outros partem sem regresso.

Quando parte um amor,
Sentimos um tipo diferente de dor.
Quando parte um ente querido,
Esse sentimento é bastante dolorido.

Não é fácil falar da partida,
Mesmo sendo parte da vida,
Mas difícil mesmo é aceitar
Que este momento vai chegar.

Devemos acreditar no Adeus,
Como uma viagem ao PAI.
Acreditando desta maneira,
A dor é grande, porém passageira.

Serra Negra

* * *

 

REVOADA
Inês Marucci

Do lar espiritual um dia partimos
no sentido do mundo material,
mais tarde a nossa origem retornamos,
ida e volta em constância sensorial
desta imortalidade que nós somos.

Qual veleiro escondido pelo monte,
restaurado por sóis e tantos ventos.
sem se perder em qualquer instante,
pintamos incríveis portos instáveis
conforme perfil de efêmero mutante.

Virtudes e vícios cada ser transporta
empilhando apetrecho vil, nocivo...
Flor e ouro não cabem juntos na porta
que cedo dispensa o fútil e o agressivo,
só apóia a nobreza, que lhe importa.

Um manancial de intactas conquistas,
múltiplas, exclusivas, necessárias,
ao novato que na terra dá suas voltas
e em vôo raso estuda mágicas árias,
bem aventurado pelas forças santas.

Vida e Morte são rotas sucessivas
de chegadas e partidas simultâneas;
a morte pare glórias compreensivas
brindando as atitudes espontâneas
com lírios celestes, sagradas selvas.

* * *

 

A HORA DO ADEUS
Celina Figueiredo

Nunca me digas "adeus", dize apenas "até breve".
O adeus é eterno, para sempre.
A vida é passagem, é transitoriedade. "Até breve" é a despedida
que durará apenas um átimo diante da grandiosidade do infinito.
No além da temporalidade tudo é presente,não há passado nem futuro.
Dize-me apenas "até breve"e breve nos encontraremos
sem limite de tempo,
sem limite de espaço,
para sempre...

* * *

A hora do adeus
Sonia Salete

Na saudade que já me abarca
Pelos caminhos vividos
O adeus será sempre sofrido!

23/06/2009 SP

* * *

 

Hora do Adeus
Luiz Gonzaga Bezerra

 

Tocam os sinos
Choram os corações
Murmuram o destino
Na imensa solidão
Do ultimo adeus
Da vida em pranto.

Tácito sem palavras
Jaz ali um ente amado
Vida que viveu a sonhar
Ali do nosso lado
Sorrindo apaixonado
Alegrando nossa alma.

O relógio gira rápido
O pranto vem nos acalmar
A calar sem ter como evitar
A viagem do corpo amado
Imóvel ouve tudo não diz nada
Já não importa a morte lhe apraz.

Chora o coração desesperado
Ante o drama da realidade
Da morte irmã sem alma
Levando sem nenhum segredo
Os sonhos alegrias e medos
Na reminiscência de um Adeus.

Instante melancólico
Volita na sala atroz
Apagando da historia
Os sonhos e desejos
Da vida perfeita
Na hora do ADEUS.

* * *

 

A ida do amor

(soneto)
J Neto

Em triste dia me disseste adeus
Pisando flores que cultivei
Em sabores que contigo sonhei
Voltou ao longe para os seus

Pedi a volta do amor, oh Deus
Traga o sentir daquilo que amei
Preciso disso, ter o que sonhei
Mas sonhos perdidos foram os meus

Sem querer me brandi em riso
Pois comigo hás de sempre ficar
Lembrando a beleza do seu belo sorriso

Que um dia o caminho quis mostrar
Outro dia o sorriso indeciso
Me apartou de amar e se pôs a me deixar
 

 24/06/09


* * *

 

Na Hora do Adeus
Muriel Elisa Távora Niess Pokk

O bilhete que me deixaste
Traziam palavras amargas
Não pensaste em nossos filhos
Apenas nos abandonaste
Fomos largados ao léu
Como cães abandonados
Enquanto passávamos fome
Sem em nós pensares
Teu dinheiro com outra gastavas
Com muito sacrifício criei
As crianças;
O Tempo passou,
Nossos filhos se casaram.
Quando tu adoeceste
Foram teus filhos
- que um dia abandonaste -
Que no hospital todos os
Dias te visitavam
E que na hora do adeus
Sobre tua tumba
Desconsoladamente
Choraram.

Registrado em cartório

* * *

 

A HORA DO ADEUS
Fátima Abrantes

Tão grande quanto o amor que sentimos
é a dor na hora do adeus...
Mãos molhadas de um suor frio,
sensação visceral inenarrável...
Alma partida, coração triste,
olhos molhados...
De lágrimas que não contidas
rolam por rostos desolados.
Difícil aceitar e compreender
a partida...
De alguém que não volta mais
que viverá no sonho e na lembrança
e como um rosto de criança
não sorrirá mais...
Dor implacável, projetos interrompidos,
viagem adiada...
Veio o Anjo do Senhor
e com destemor
pousou suas mãos sobre
a vida contida, já esmaecida...
E com acordes celestiais levou consigo
para um grande amor,
aquele que conosco viveu,
sofreu, sorriu e chorou.
Levou para Deus, para o Pai Vivo,
o amigo sereno e redimido.
No momento e na hora certa.
Só nos resta lembrar...

* * *

 

Asas do Adeus
Regina Coeli

Pássaros vão e voltam pelos ares,
Mudam de galho e fazem novos ninhos,
Voam em bandos, nunca vão sozinhos,
Porquanto a solidão rói seus cantares...

O pássaro constrói diversos lares,
Deixa sementes vivas nos caminhos;
Dos ontens faz brotar os passarinhos
Nos amanhãs sadios dos pomares...

Suas bravas asas brincam com o vento
Quais velas estendidas sobre o mar,
Acenando em adeus num voo lento...

Então me apalpo aflita a procurar
As minhas asas, ávidas de alento,
Que hão de bater o adeus do meu findar...

* * *

A HORA DO ADEUS
Kedma O'liver

Profunda dor
flashes de vida
muito pavor...
lágrimas sofrida
pensamentos se misturam
frio no corpo
nunca mais verei
o sorriso no rosto
nem ouvirei
a voz alta e clara
ou olharei seus olhos.
Não dá para imaginar
a vida sem você.
Fecham a tampa
jogam as flores
hora de voltar a realidade
até o encontro final.

* * *

 

Uma Viagem Sem Volta
Silvia Giovatto (faffi)

Não é fácil arrumar as malas
para uma viagem sem volta.
As vezes colocamos coisas inúteis,
outras que ainda precisamos avaliar...
Não vou precisar de muita coisa,
a maior parte da bagagem carrego no coração.
Vou ter de me desfazer de muita coisa, principalmente,
da vaidade e da liberdade que tanto busquei.
A pior parte é a hora do Adeus, nunca consegui dizer adeus,
nem quando a viagem tem retorno.
Essa palavra é muito triste... um dia vou ter que dizer,
nem que seja em um sussurro de voz.
Talvez não ouça a reposta, mas, com certeza,
mãos vão me acenar num último carinho.

* * *

 

Na hora do adeus
António Barroso (Tiago)

E do monte caiado me despeço,
Que o branco há-de ficar-me na retina,
E aquela flor, à porta, pequenina,
De que sempre me lembro e não me esqueço.

Deixar o meu sobreiro, eu não mereço,
Não lhe poder falar, bem em surdina,
É mágoa que sufoca, que me mina
No momento em que, dele, me despeço.

Em todo o campo louro que se avista,
Não há uma saudade que resista
Por senti-lo fugir dos sonhos meus,

Se fecho os olhos, guardo uma miragem
De montes de papoilas, na paisagem,
E eu choro, por vós, na hora do adeus.

* * *

 

A HORA DO ADEUS
Eduardo Samuel Ferreira

A vida é eterna,
mas o convívio chega ao fim.
Enquanto estivermos na matéria, cabe a nós
evitarmos tudo que é ruim.

Quando temos afinidade espiritual,
o adeus se torna um até logo.
Que a saudade não seja irmã da tristeza
quando chegarmos ao velório.

Foi feita a vontade de Deus,
é nisso que devemos confiar.
Oremos para que nenhum irmão, venha a
hora do adeus antecipar.

A falta de conhecimento espiritual da família,
pode perturbar muito o irmão desencarnado.
Se não tivermos nada de bom para falar sobre o mesmo;
fiquemos calados.

Hoje é um dia a menos
da nossa vida de encarnado.
Que na hora do adeus, possamos estar em paz
para sermos felizes do outro lado.

* * *

 

 

 

-   

 

-