-   

 Abrindo Espaço para a Cidadania

-

CIDADANIA

O PROCESSO ELEITORAL

Eri Paiva

 
 

 

O processo eleitoral que é o modo ou maneira de se escolher os prefeitos e vereadores para administrar o município está chegando ao fim. Foi o tempo destinado para que o povo conhecesse os candidatos e estes escutassem as sugestões do povo. Mas a ganância de muitos candidatos, a ignorância e a falta de educação política do povo, muitas vezes, faz deste tempo, uma luta desleal e interesseira, de vida e morte pelo poder.

 

O importante não é vencer a qualquer preço. Mas competir. Deve vencer quem for melhor e mais capaz de promover o bem comum. Muitos candidatos desonestos e incompetentes estão no poder por inconsciência do povo. Se o povo é consciente e preparado escolhe candidatos bons, honestos e trabalhadores. Se o povo é ignorante e sem preparação vai escolher candidatos ruins e incompetentes para dirigir o povo e os seus bens.

 

O povo tem culpa. Uma falha muito grave dos eleitores é deixar o que é da sua obrigação para o tempo das campanhas políticas como cuidar dos dentes, tirar documentos, pagar suas dívidas... Quanto mais se recebe presentes e favores dos políticos mais o povo se desvaloriza como gente, como pessoa, como cidadão livre e responsável pelo destino do município e do bem comum. Além disso ainda contribui para que a realidade do povo, principalmente do povo pobre, não mude e fique sempre na dependência dos maus políticos. Aquilo que é da nossa obrigação deve ser feito logo, sem esperar por ninguém, nem por chefes políticos. Lembramos mais uma vez que a lei eleitoral no seu artigo 299 fala da proibição de trocar ou vender o voto. Voto não se vende, consciência não se compra. Favor se paga com favor. Amizade com amizade. Dinheiro com dinheiro. Nada disso se paga com o voto.

 

Os políticos também são culpados. Querem se eleger utilizando-se de todos os meios, geralmente sujos e desonestos. Fazem promessas absurdas enganando os eleitores, fazem discursos atacando a moral dos outros candidatos, esquecendo muitas vezes o seu “rabo de palha”. Gastam grandes somas de dinheiro para mostrarem prestígio e impressionar os eleitores fracos porque eles  sabem que o dinheiro seduz as pessoas fracas e que não se interessam pela comunidade.

 

Dizer calúnias e injúrias ou abater a moral de qualquer pessoa na propaganda, seja por escrito, seja nos comícios, seja através dos jornais, rádios ou televisão faz o ofendido ir à justiça com duas testemunhas e processar o caluniador. Diz a lei eleitoral “Difamar alguém na propaganda eleitoral, ou visando fins de propaganda, imputando-lhe fato ofensivo a sua reputação. Pena: Detenção de 3 meses a um ano e pagamento de 5 a 30 dias-multa”. Isto está previsto no artigo 325.

 

O município é o melhor espaço para a gente praticar bem o nosso dever de cidadão livre e responsável pelo bem que os seus moradores merecem. O município é a nossa casa, o nosso chão. Se o nosso município se parece com uma casa velha, cheia de gente mal acomodada é preciso reformar essa casa para que as pessoas que moram nela vivam menos aperreada e, portan mais felizes. Se muitas crianças estão sem escola é uma parte da casa velha que precisa passar pela reforma. Se a população não tem água é outra parte da casa que precisa ser reparada. Se os administradores não são competentes e honestos é preciso reformar a casa pelo teto. E assim por diante...

 

Quem reforma a casa são as pessoas da casa. Quem reforma o município é cada habitante do município. Esta reforma se faz com gosto e com amor. Participando da vida política; colaborando com o poder público; exigindo a criação de serviços, de programas e projetos para melhorar a vida dos moradores; exigindo e fiscalizando a realização do bem comum; escolhendo bons administradores para governar ou botando prá fora os que não prestam e que só querem se aproveitar do poder para melhorar a si e aos de sua família.

 

Pense antes de votar. O minuto que você tem diante da urna é um minuto decisivo. Não o perca. Não jogue no lixo a oportunidade que lhe está sendo dada. A de escolher quem vai governar o seu município. É nele que você mora. Quem sabe até nasceu aí. É nele que você dá a sua contribuição, para torná-lo melhor e com condições de todos poderem viver uma vida com decência e dignidade. É nele que as pessoas, os habitantes, devem ser felizes, em vez de saírem  para procurar dias de felicidade nas grandes cidades, nas grandes metrópoles. Onde Deus nos plantou é aí que devemos dar flores!

 

Natal/RN/Brasil

Em 23.09.2008

 

* * *

 
 

 

 Publicado pelo A ERA DO ESPÍRITO com a autorização do autora.